Reserva financeira: 06 dicas para você começar a sua

DESTAQUES Finanças Pessoais POSTS

Fazer uma reserva financeira é essencial para o cumprimento do planejamento e orçamento familiar, e ela pode ser realizada com diferentes objetivos.

Ou seja, depois de acumular o suficiente para ser usado em casos de emergência, é possível iniciar outra reserva para viagens em família, por exemplo.

A proposta parece bem simples, não é mesmo? Mas a prática envolve alguns cuidados na hora de definir suas estratégias. Pensando nisso, listamos neste post 6 dicas para seu sucesso. Confira.

1. Determine um valor de contribuição mensal

A ideia da reserva financeira de emergência é acumular um montante equivalente a seis ou doze meses de despesas do indivíduo, dependendo de seu grau de conservadorismo.

Para isso, é preciso determinar qual será o valor mensalmente destinado para a construção dessa reserva.

O ponto de atenção é: não adianta comprometer o orçamento atual para atingir o objetivo mais rápido. É preciso ter equilíbrio e tranquilidade, pois, do contrário, despesas como o uso do cheque especial do banco podem acontecer, por exemplo.

2. Busque tipo de investimento mais adequado para você

Uma boa opção de investimento também faz toda a diferença. Lembre-se de priorizar a que combina liquidez (facilidade para retirada/saque do valor antes do final do prazo do investimento), pouca volatilidade e bom rendimento.

Isso significa que ela precisa ser facilmente resgatável, não ter grandes oscilações de valores, mas, ainda assim, render o bastante.

Claro que os investimentos de longo prazo, como é o caso da previdência privada, alguns fundos e até mesmo as ações, costumam trazer melhores resultados, mas, nesse caso, além do risco da volatilidade que algumas possuem, suas políticas de resgate podem ser incompatíveis com esse objetivo.

3. Organize suas despesas mensais

Outra ajuda extremamente relevante para a criação de uma reserva financeira é a revisão das suas despesas mensais.

Cortar gastos desnecessários permite alocar mais recursos para a construção da reserva financeira, além de diminuir as despesas que ela seria utilizada para cobrir em casos de emergência, como o desemprego inesperado.

4. Crie estratégias para liquidar dívidas

Empréstimos e financiamentos são compromissos mensais que dificultam a possibilidade de poupar dinheiro, por isso, avaliar possibilidades de quitá-los com desconto ou trocá-los para outra linha de crédito com juros mais baixos também pode ajudar.

5. Tenha um seguro de vida

Um seguro de vida é uma excelente solução para quem está construindo ou deseja ter uma reserva emergencial, afinal de contas, é preciso tempo para que ela seja alcançada.

Nesse processo, novas despesas podem surgir ou até mesmo situações atípicas, como um acidente de trabalho, que impediria o indivíduo de continuar acumulando seus recursos.

Com um seguro de vida, um suporte financeiro estaria garantido, além de outros serviços auxiliares, como a reparação a terceiros no caso de condenações judiciais de profissionais liberais por possíveis erros no exercício de suas atividades.

6. Crie mais de uma reserva financeira

A reserva financeira normalmente é construída para emergências, mas também pode ser direcionada para objetivos de curto ou curtíssimo prazo, como uma viagem familiar ou a compra de um videogame para os filhos.

Aliás, também pode ser um bom aprendizado financeiro para crianças se elas participarem das economias e definição de propósitos.

Seja para emergências, seja para oferecer importantes ensinamentos para seus filhos, a criação da reserva financeira é muito importante para o planejamento familiar e é o pontapé inicial para buscar objetivos maiores.

Para tais objetivos, inclusive, a previdência privada é uma solução que precisa ser estudada. Quer tirar algumas dúvidas sobre ela? Confira neste post como funciona a previdência privada.