7 dicas para você negociar as dívidas e limpar seu nome

DESTAQUES Finanças Pessoais POSTS

Se você acumulou dívidas e não sabe como limpar seu nome, chegou a hora de aprender como regularizar a situação. Por meio de 7 dicas de ouro, pretendemos ajudar a todos aqueles que querem resolver suas pendências financeiras e lidar melhor com o dinheiro.

Já adiantamos que a tarefa não é tão difícil quanto parece. No entanto, é necessário ter realmente vontade de mudar a situação e se esforçar para isso.

Tenha em mente que, ao longo do caminho, alguns sacrifícios serão necessários, mas todos eles valerão a pena. Afinal, ter o nome limpo na praça novamente representa uma vantagem — tanto para você voltar a assumir prestações indispensáveis quanto para dormir tranquilo. Continue a leitura para descobrir como alcançar isso!

1. Para limpar seu nome, identifique todas as suas dívidas

O primeiro passo para limpar seu nome é consultar todas as dívidas pendentes. Até pouco tempo, era preciso pagar para ter acesso ao banco de dados de proteção ao crédito. A boa notícia é que hoje a situação é completamente diferente, já que a consulta para você saber se o seu nome está na lista de inadimplentes é on-line e gratuita. Isso vale tanto para o SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) quanto para a Serasa (Centralização de Serviços dos Bancos).

Após conferir o seu CPF, é hora de resolver a situação financeira. Para isso, não adianta pagar apenas as contas atrasadas e, daqui a alguns meses, sujar o nome de novo. É melhor negociar com as empresas para conseguir descontos e também pensar no futuro.

2. Entre em contato com os credores

Ao descobrir a quem você deve, entre em contato com os credores e descubra qual é o valor necessário para quitar a dívida à vista e também a prazo. Nesse momento, aproveite para saber todo o montante, e não apenas a parcela que sujou o seu nome.

3. Recuse a primeira proposta

Ao descobrir quanto você deve, compare os valores do pagamento à vista e das prestações. Anote os números informados e não feche o acordo ainda, uma vez que é possível conseguir desconto ao não aceitar, de cara, o que as empresas cobram. Diga aos credores que você analisará a sua situação financeira e pensará na contraproposta que cabe no seu bolso.

4. Elabore uma contraproposta

Para chegar até a contraproposta ideal, é necessário refletir sobre todas as suas necessidades mensais, ou seja, considerar todos os gastos habituais. Então, subtraia do seu salário os gastos rotineiros e veja quanto sobra.

Lembre-se que não adianta nada pagar as dívidas e aumentar cada vez mais o rombo do seu orçamento por meio do crédito especial. Ao pensar na sua renda e nos gastos inevitáveis, faça um planejamento mensal que não seja impossível de cumprir. Se conseguir pagar algum dos devedores à vista, prefira essa opção e aproveite o desconto nos juros.

Caso não dê para agir dessa forma, a nossa sugestão é que você calcule o período necessário para conseguir quitar o valor devido com uma parcela que cabe no seu bolso — ao usar a calculadora do Banco Central, você descobrirá a resposta.

A partir daí, basta fazer uma contraproposta, considerando juros menores dos que foram apresentados pelas empresas. Para chegar a um valor justo, considere a taxa cobrada pelo crédito consignado.

5. Honre a sua palavra

Feito isso, não espere uma resposta positiva logo de cara. Na maioria dos casos, a instituição também não aceitará a contraproposta. Contudo, mantenha a paciência porque, enquanto negociar, o credor não recorrerá à justiça.

A cada quinze dias, entre em contato com a empresa e apresente novamente a proposta que você calculou com cuidado. Enfatize que esse número é o que você pode pagar de acordo com o seu salário e que definir uma quantia mais alta é impossível.

Durante o tempo em que não conseguir uma resposta positiva, aproveite para guardar a mensalidade proposta por você. Isso ajudará muito a solucionar o problema no futuro. Além disso, fique de olho em eventos específicos para negociação de dívidas, como os feirões, em que as empresas estão dispostas a negociar, e consulte portais on-line destinados ao assunto.

Quando, finalmente, a sua contraproposta for aceita, honre a sua palavra. Seja disciplinado e pague as contas em dia. Somente assim as coisas vão mudar. Cabe ressaltar que, após o pagamento da primeira prestação, a organização tem até cinco dias para limpar seu nome.

6. Economize dinheiro

Por mais difícil que pareça, é possível — e necessário — economizar. Sabemos que você calculou o valor da prestação com base no seu orçamento para pagar a dívida, o que continua sendo prioridade, e que também existem as contas do dia a dia. No entanto, isso não impede de adotar estratégias para economizar.

Saia menos de casa, demore menos tempo no banho, não deixe a luz e os aparelhos eletrônicos sem uso ligados só compre o essencial no supermercado e nada de adquirir roupas e calçados. Então, pegue o valor que sobrar, por menor que ele seja, e escolha uma forma para investir esse dinheiro. Até as moedas poderão ir para o cofre.

limpar seu nome

7. Separe uma reserva para emergências

Todo o valor economizado constituirá, em médio prazo, a sua reserva de emergência. Quando, finalmente, acabar de pagar a sua dívida, mantenha o hábito e continue a economizar. Afinal, nós nunca sabemos quando imprevistos podem acontecer, não é mesmo? E temos certeza que você fará de tudo para não mais ficar com o nome sujo.

O que achou das nossas 7 dicas para renegociar dívidas e limpar seu nome? Viu como não é tão difícil mudar a situação de suas finanças? Para isso, basta manter o foco, calcular as dívidas, fazer propostas aos credores que sejam coerentes com o seu orçamento, ter paciência, honrar com a palavra, economizar dinheiro e montar uma reserva de emergência. Dormir tranquilo, sem dever nada a ninguém, é uma sensação muito positiva e que traz muitos benefícios para a nossa qualidade de vida!

Que tal continuar o aprendizado e conferir o nosso post sobre por que pensar no seu futuro financeiro agora mesmo? Você não vai se arrepender!