Fechar

Aviso
Devido ao feriado do securitário, não teremos expediente hoje.
Retornaremos nossas atividades dia 17/10.

Blog

Proteção para toda a família!

Home Blog O que é e como alcançar a independência financeira? Entenda aqui

O que é e como alcançar a independência financeira? Entenda aqui

POSTS

A independência financeira é o sonho da maioria das pessoas, mas nem sempre está claro o caminho a seguir para alcançá-la. O jovem, sobretudo, passa por momentos em que se vê sufocado com a realidade que enfrenta, muitas vezes de desorganização financeira, e sente como seria bom ser independente.

É preciso planejamento, definição de metas e trabalho sério na realização desse sonho. Mas, é uma jornada que vale a pena para qualquer pessoa.

Continue a leitura e descubra o que é e como alcançar a independência financeira.

O que é independência financeira?

Independência financeira é a situação que a pessoa alcança, na qual não depende mais dos frutos de seu trabalho para obter a renda que necessita. Uma pessoa financeiramente independente não precisa receber salário ou outro provento qualquer para ter o que precisa ou deseja.

De modo geral, essa pessoa recebe seus rendimentos do patrimônio que construiu. É o que o brasileiro popularmente chama de “viver de renda” em uma condição favorável. Isso não significa que trabalhar não seja importante, no entanto, neste caso a estabilidade financeira não irá depender de um trabalho regular remunerado. Aqui reside uma grande diferença entre a independência e a liberdade financeira.

Para entender esse outro conceito, considere uma situação em que você conseguiu equilibrar as suas contas e não tem mais dívidas. Está tudo em dia e você dispõe de recursos para investir. Nisso consiste a liberdade financeira na qual você continua trabalhando, mas sem grandes preocupações com o dia a dia.

Qual a importância da independência financeira?

A importância de alcançar a independência financeira reside sobretudo nas facilidades obtidas com esta conquista. Veja a seguir, uma seleção com os principais benefícios, que esta autonomia proporciona.

Melhor aproveitamento do tempo

Quando se alcança a independência financeira, passa a existir uma maior disponibilidade de tempo para ser aproveitado, uma vez que se está livre da obrigação da rotina do trabalho. Nesse sentido, os projetos pessoais ou da família, por exemplo, podem receber maior dedicação.

Maior facilidade para investir nos sonhos

Muitos sonhos não são realizados porque são adiados constantemente em razão da falta de recursos financeiros e de tempo. Com a conquista da independência financeira, esses recursos podem ser mais facilmente utilizados e aqueles desejos podem estar mais próximos de sua realização.

Mais tranquilidade para viver

Uma das principais causas dos elevados níveis de estresse e suas consequências atualmente residem nas tensões provocadas pela ansiedade e pela angústia da falta de dinheiro suficiente. Por outro lado, a tranquilidade que a independência financeira traz se traduz em qualidade de vida para si e para a família.

Melhores condições para ajudar a outros

A pessoa madura, de modo geral, gostaria de ajudar a um filho que está em dificuldades financeiras ou aos pais idosos, ou ainda dar suporte para uma questão de saúde que surge na família. Da mesma forma, para alguns, a filantropia é indispensável. Tudo isso se torna mais realizável a partir da independência financeira.

Porque os jovens buscam tanto a independência financeira?

Segundo uma pesquisa realizada pela MTV Brasil, com participação do instituto de pesquisas Datafolha, já no ano de 2008, 53% dos jovens brasileiros viam na independência financeira sua maior conquista. Viver sem a necessidade de suporte da família e poder gastar quanto desejar estavam entre as prioridades apontadas.

Por sua vez, a tradicional expectativa de aquisição de um imóvel ou de um carro sempre sonhado entre os jovens vem se reduzindo. O desejo de viajar, conhecer outros povos e lugares é cada vez mais comum e, nesse caso, a independência financeira se torna quase indispensável.

Essa autonomia, na verdade, não se limita à posse do dinheiro, mas diz respeito à liberdade de fazer o que quiser e de seguir o rumo que escolher. Os grilhões da capacidade de se sustentar é o que retém boa parte dos jovens.

Ao mesmo tempo, também existe um outro extremo no qual muitos jovens optam por permanecer na casa dos pais até uma idade mais madura, principalmente por facilidades operacionais. Nesse caso, a independência financeira seria o principal facilitador desse processo, uma vez que o jovem poderia ser parte mantenedora da família.

Quando começar a buscar a independência financeira?

Não importa o momento em que você esteja, pois a melhor hora de buscar sua independência financeira é agora. E assim é, por uma razão bem simples: essa condição de pessoa independente não é obtida em curto prazo, ou seja, precisa ser construída ao longo do tempo. E nada melhor que utilizar o tempo a seu favor.

Assim, quanto mais cedo você se dedicar a construir sua independência financeira, mais cedo ela chegará. Principalmente porque o primeiro passo para isso será a elaboração de um planejamento para a construção de seu objetivo.

Na verdade, o seu planejamento financeiro para a autonomia será a base de toda movimentação que você fizer nessa direção. Afinal, você pretende alcançar uma estabilidade, a princípio, para sempre e, portanto, deve conhecer bem onde está, por onde passará e aonde pretende chegar. Isso é o planejamento.

O mais importante é ter em mente que o essencial será o dinheiro que você realmente guardar e investir. Ele será o lastro para construir sua condição de financeiramente independente. Como você economizará, como ganhará mais e como poupará para investir e se garantir no futuro constituem a estratégia que você definirá com as dicas deste post.

Quais as fases da independência financeira?

Os caminhos que conduzem à independência financeira são trilhados a partir de um ponto inicial caracterizado justamente pela dependência financeira. Existem razões diversas para estar nessa condição de dependente.

Quando se é jovem e menor de idade, é natural que o indivíduo esteja na fase da dependência financeira, no entanto, este é o ponto inicial para aplicar a educação financeira. De todo modo, esse status de dependente se caracteriza por uma falta de autonomia, assim como pela impossibilidade de se sustentar sem o amparo de terceiros (governo, familiares, amigos).

Costuma-se dividir o ciclo de vida financeiro de uma pessoa em 2 estágios: de acumulação e de remuneração. O estágio de acumulação se dá na juventude, entre os 20 e os 50 anos de idade, enquanto o estágio de remuneração envolve a meia-idade (50 a 65 anos) e a aposentadoria (a partir dos 65 anos de idade).

Nesse sentido, a autonomia financeira deve ser conduzida desde a infância através da educação financeira das crianças e adolescentes, em seus mundos respectivos. Efetivamente, sua construção se dá a partir da idade de cerca de 20 anos, consolidando a educação recebida e promovendo ações sucessivas nessa direção com o que se tem.

Dessa forma, podemos dividir a construção da independência financeira em 4 fases. Conheça cada uma delas a seguir.

1. Independência das dívidas

Talvez o maior empecilho enfrentado pela maioria das pessoas que almejam alcançar a autonomia financeira esteja na existência de dívidas. Dívidas não são apenas valores devidos, mas envolvem custos crescentes tornando sua solução cada vez mais difícil.

A inadimplência, não importa a causa, tem um custo muito elevado, principalmente pelos juros que quase sempre estão envolvidos e que não são pequenos. Por essa razão, é preciso trabalhar para sair das dívidas, o que significa colocar as contas em dia.

2. Independência de curto prazo

A independência de curto prazo é uma estratégia importante a ser construída. Trata-se da condição na qual é possível se manter sem a renda normal como o salário por um determinado período de alguns meses até um ano.

Para isso, é preciso construir uma reserva financeira cujo valor a ser alcançado corresponda aos seus gastos mensais pelo período que você definir. Assim, caso aconteça uma situação inesperada, você consegue manter o padrão atual durante aquele período.

3. Independência de emprego

Seguindo a estratégia para a construção de sua independência financeira, você conseguiu se livrar de suas dívidas deixando para trás as multas e os juros. Na sequência, construiu uma reserva financeira e está preparado para alguma emergência e se manter bem por algum tempo.

O próximo passo consiste em reforçar o seu sistema de poupança (guardar dinheiro) para investir e começar a gerar receita. Com isso, você começa a preparar a fonte de onde virão os seus rendimentos no futuro próximo, tornando-o independente de seu emprego.

4. Independência total

A independência financeira de fato estará consolidada quando os retornos propiciados pelos investimentos realizados estiverem em um patamar superior ao dos gastos mensais. Nessa hora, você poderá literalmente “viver de renda”, como já referido antes.

Uma vez alcançada a projetada liberdade, você poderá considerar planejar a sua sucessão. Dessa forma, terá meios previstos para transmitir seu patrimônio para a família.

Quais as melhores dicas para conquistar a independência financeira?

Um bom planejamento é essencial para a conquista de qualquer objetivo. Para elaborar este plano é preciso saber o que se tem, isto é, qual a realidade atual. A partir daí, uma série de dicas tornará a construção de sua independência financeira cada vez mais firme e constante. Acompanhe.

Faça um diagnóstico de sua situação atual

O primeiro passo dessa caminhada é saber como você está financeiramente. Isso significa levantar tudo o que compõe suas despesas e suas receitas, isto é, conhecer em detalhes de onde vem o seu dinheiro e como ele se vai.

Para esse fim, o melhor instrumento é montar uma planilha simples, listando a origem de seus recursos e, principalmente, a destinação deles, isto é, a relação de tudo onde você gasta dinheiro. É essencial ser muito transparente e lançar absolutamente tudo, até um simples suco ou refrigerante que você se acostumou a tomar.

Invista em sua educação financeira

Pode ser que você não seja muito versado em economia. Na verdade, não precisa ser, mas é indispensável que aprenda a planejar, fazer a gestão de seu dinheiro, poupar e aplicar. Nisso consiste a educação financeira.

O resumo da construção da independência financeira é exatamente este: planejar, fazer a gestão, poupar e investir. Portanto, aprender a dominar essa arte e depois continuar se aperfeiçoando fará muita diferença a favor de seu sucesso.

Elabore um planejamento financeiro

Uma vez que você sabe o que recebe e o que gasta, assim como já está aprimorando seus conhecimentos, é hora de fazer o seu planejamento financeiro. Esse planejamento tem um ponto de partida: sua situação atual, que você já diagnosticou. Também constitui o momento adequado para se fazer um seguro de vida.

Mas, tem também um ponto de chegada, que é a meta que você vai definir. A meta é uma descrição da situação que você quer alcançar e o prazo para fazer isso. Assim, o planejamento financeiro (que você aprenderá a fazer durante sua educação financeira) vai definir o que e como você vai sair de onde está e chegar à previsão de sua meta.

Comece a poupar

Um dos itens que deverão estar previstos em seu planejamento é a implantação de uma rotina de poupança. Aqui não se trata de guardar as moedinhas que sobrarem do troco que você recebeu de alguma compra que fez.

Na verdade, a poupança é antes de tudo um princípio de gestão das finanças pelo qual é preciso gastar menos do que o valor total que se recebe. Assim, sempre haverá uma sobra para guardar. Para isso, é preciso começar a desenvolver novos hábitos.

Portanto, quando se fala de poupar, não se trata de quando, uma vez que deverá ser todos os meses, mas de quanto você definiu que será regularmente poupado. Esse dinheiro inicialmente construirá uma reserva financeira e posteriormente será também investido.

Crie uma reserva de emergência

Uma reserva de emergência é um montante construído com a poupança regularmente acumulada, de modo a garantir pelo menos 6 meses de sustento no padrão que você tem quando começa a poupar. Dessa forma, uma instabilidade como, por exemplo, a perda do emprego, poderá ser suprida por aquele período.

O valor poupado para a reserva financeira deve ser investido, isto é, aplicado para que não tenha perdas. É essencial que a aplicação dos recursos de sua reserva de emergência apresente liquidez diária, ou seja, possam ser sacados a qualquer momento.

Comece a investir os recursos poupados

Quando você poupar recursos, deve buscar formas de investir. No seu processo de educação financeira você deve levar em conta a importância de aprender a investir. Na verdade, você deveria se especializar nisso, para que sua autonomia financeira seja a mais objetiva e segura possível.

Quando tiver investido um montante tal que os rendimentos obtidos sejam maiores que o seu salário, por exemplo, você terá alcançado a autonomia financeira. Os investimentos continuarão para que essa situação seja mantida, mas você já se tornou independente financeiramente.

Como se viu, alcançar a independência financeira é um caminho que deve ser planejado e adotado como meta para que sejam garantidos os seus frutos na época da colheita.

Se gostou deste post, deixe seu comentário aqui, pois poderá ser útil para outras pessoas interessadas no crescimento financeiro como você.

Seguro para toda família!

Proteção na medida certa para você.

SOLICITE UMA COTAÇÃO

Receba conteúdos exclusivos para te ajudar a proteger o que mais importa para você.

    SIGA-NOS NO
    FACEBOOK
    SIGA-NOS NO
    INSTAGRAM

    Siga-nos nas Redes Sociais

    Cadastre-se em nossa newsletter

      FECHAR