14 dicas para ter controle financeiro familiar

DESTAQUES Finanças Pessoais POSTS

De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), 62,2% das famílias brasileiras estavam endividadas, no ano de 2017. Esse patamar bastante elevado evidencia a necessidade de você realizar um controle financeiro familiar. Afinal, você não quer fazer parte dessa estatística, não é mesmo?

Sem o planejamento das finanças e o comprometimento de todos os membros da família, alcançar objetivos de curto, médio e longo prazos se torna cada vez mais complicado. Por isso, é importante que você estimule os seus familiares a agir em conjunto para manter os gastos sob controle. Até os filhos pequenos podem ser envolvidos nessa tarefa, mas de acordo com as suas limitações, é claro!

Por esse motivo, preparamos este post apresentando algumas dicas para que você possa fazer um controle familiar eficiente e, assim, usufruir de uma vida tranquila. Confira!

1. Estabeleça metas de economia conjunta

Ao criar objetivos que envolvam todos os membros da família, eles passam a entender que os gastos coletivos são de responsabilidade de cada um. Uma estratégia interessante é a de determinar um valor máximo para as contas da casa — como água, luz, telefone, entre outras — e estabelecer um prêmio para aqueles que conseguirem alcançar as metas estabelecidas — como um passeio, um jantar, etc.

2. Planeje de acordo com as especificidades da sua família

Não adianta você estabelecer metas mirabolantes, que não estejam de acordo com a realidade da sua família. Portanto, antes de buscar o engajamento de todos no controle dos gastos, avalie quais são as características e necessidades de cada um, para que os objetivos traçados possam, de fato, ser alcançados.

Por exemplo, se devido à sua rotina de trabalho, você não consegue fazer as refeições em casa, não tem uma empregada do lar ou cozinheira e, por isso, todos têm que comer diariamente em restaurantes, você não pode estabelecer um gasto com alimentação muito baixo. Afinal, tal valor, por si só, costuma ser elevado.

3. Permita que todos participem da escolha dos investimentos

Sempre que você for tomar alguma decisão que pode impactar as finanças da família, reúna todos os membros para discutir quais são as melhores opções de investimento.

Como nem todos têm uma educação financeira adequada, apresente as alternativas existentes para investir os recursos disponíveis. Assim, juntos, vocês poderão avaliar as possibilidades que trazem o retorno adequado para o alcance dos objetivos coletivos de curto, médio e longo prazos.

4. Determine a mesada dos filhos de forma inteligente

Segundo especialistas, não existe uma regra geral para definir qual é o valor ideal que o seu filho deve receber mensalmente. No entanto, ele tem que ser de acordo com a idade do dependente e daquilo que você quer ensinar por meio do uso do dinheiro.

Portanto, eduque-o a gastar de forma consciente para que a sua mesada dure até o final do mês. É importante ainda, que você ensine o seu filho a criar o hábito de poupar e investir, pois assim, ele poderá realizar seus sonhos com maior rapidez.

5. Faça controle coletivo das despesas

Seja por meio de planilhas, seja com o uso de gerenciadores financeiros, o importante é que você anote todos os gastos realizados pelos membros da sua família. Dessa forma, todos ficam cientes de quais são as principais despesas da casa e, juntos, podem encontrar alternativas de economizar.

Assim, você promove o maior engajamento com o objetivo coletivo, que é o de manter o orçamento sempre equilibrado.

6. Defina objetivos financeiros em comum

É importante que você crie o hábito de fazer reuniões periódicas com a sua família para definir metas que todos desejam alcançar.

Seja fazer uma viagem durante as férias, seja comprar uma casa nova, o importante é que vocês entrem em sintonia para realizar o objetivo definido. Assim, todos têm grande incentivo para cumprir a sua parte!

7. Incentive todos a serem transparentes

Não adianta fazer um planejamento financeiro, se nem todos em sua família forem honestos com relação às suas receitas e despesas. Caso alguém tenha algum problema financeiro, o ideal é que os outros membros estejam cientes para buscar soluções para contornar a situação.

Uma ideia interessante é criar um arquivo editável e aberto para que toda a família possa acompanhar a evolução dos gastos e saber quão distantes estão de alcançar o objetivo definido.

8. Evite comprar por impulso

É importante que você defina bem com a sua família o que é vontade e o que é necessidade. Ao adotar esse pensamento reflexivo no momento anterior à realização de qualquer compra, vocês evitam gastos desnecessários que podem afastá-los do objetivo comum.

9. Dê exemplo

Não adianta nada você falar da importância do controle de gastos na família e determinar uma série de metas que devem ser atingidas por todos, se você é o primeiro a não cumprir com aquilo que foi proposto.

Ao agir dessa forma, dificilmente seus familiares se engajarão na tarefa de manter o orçamento equilibrado, o que prejudica todo o planejamento realizado. Portanto, dê exemplo para seu cônjuge e filhos!

10. Tenha uma reserva para emergência

Não se esqueça de definir, em seu planejamento financeiro, um fundo de reserva para eventualidades ou para alguma oportunidade interessante no futuro.

Afinal, despesas inesperadas podem acontecer a qualquer momento, assim como investimentos lucrativos podem surgir. Caso você não tenha recursos acumulados para essas finalidades, isso pode ocasionar um desequilíbrio no seu orçamento, afastando você e sua família de alcançar os objetivos definidos conjuntamente.

11. Não ignore os gastos do dia a dia

Ao preparar o seu planejamento financeiro familiar, normalmente, as grandes despesas nunca são esquecidas, como a mensalidade escolar das crianças, o aluguel ou parcela do financiamento imobiliário, a conta de luz e o convênio médico. Mas ignorar os gastos do dia a dia é um grande erro. Isso porque, quando somados, eles podem representar um valor significativo no seu orçamento mensal.

Por essa razão, procure registrar essas pequenas despesas também no seu gerenciador financeiro. Uma boa prática é definir uma quantia a ser gasta com os pequenos itens, para evitar surpresas no fim do mês.

É bastante fácil que eles caiam no esquecimento. Então, o melhor é fazer esse registro diariamente. E isso vale para tudo: o pão de queijo com café na padaria, a meia que você comprou, a cópia da chave que mandou fazer ou a canetinha que seu filho pediu.

12. Não comprometa todo o salário

O comprometimento de toda a sua renda mensal, antes mesmo de o dinheiro entrar na sua conta, é um erro que prejudica muito o seu controle familiar financeiro. É quando, por exemplo, você parcela suas compras.

Essa atitude de gastar seu salário antes de ganhá-lo atrapalha as finanças porque fica mais difícil planejar adequadamente o orçamento do mês. Além do mais, há uma grande chance de você usar mais recursos do que realmente deveria.

Quando você não compromete todo o seu salário, não age de maneira impulsiva nas suas compras, evitando que suas finanças fiquem bagunçadas. Isso ajudará a alcançar os seus objetivos financeiros planejados.

Nossa sugestão é que espere receber o pagamento do seu salário. Quando isso acontecer, quite os seus gastos fixos. Só então, avalie o que pode ser feito com o valor que restou.

13. Evite parcelar qualquer compra

A preferência por compras a prazo é um mau costume financeiro da nossa cultura. Fica mais difícil analisar qual será o impacto do gasto parcelado no seu orçamento do mês, além de ele ficar comprometido por um tempo maior.

Então, priorize compras à vista, principalmente para o que não for extremamente necessário. Se não houver cobrança de juros no parcelamento, dá para usar o cartão de crédito como um aliado ao seu planejamento, desde que com sabedoria.

Mas o melhor é sempre perguntar se você tem algum desconto para pagar tudo de uma só vez. Assim, você economiza dinheiro e mantém suas contas organizadas. Só não vale parcelar a fatura do cartão, pois a taxa de juros representará um gasto enorme.

14. Crie planos para o futuro

Você não pode enxergar a sua vida financeira apenas no momento presente. Afinal, uma hora o futuro chega e você não estará preparado para ele. Um bom exemplo é a questão da aposentadoria.

É preciso planejá-la. Para tanto, uma boa alternativa é investir em um plano de previdência privada, já que raramente o seu benefício da Previdência Social conseguirá manter o padrão de vida desejado.

Seus planos para o futuro devem incluir aplicações financeiras inteligentes, de modo a fazer o seu dinheiro trabalhar para você por meio dos juros compostos.

Como você pode perceber, para fazer um controle financeiro familiar eficiente, você e seus familiares devem definir objetivos comuns e, para alcançá-los, devem adotar uma série de hábitos no seu dia a dia. Só assim vocês poderão realizar aquela tão sonhada viagem para a Disney, comprar uma casa no campo ou atingir qualquer meta que tenham em conjunto.

Entendeu quais são as principais atitudes que você e sua família devem adotar para realizar um planejamento financeiro eficiente? Quer saber mais sobre o assunto? Então, assine a nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos que ajudarão vocês a alcançar seus objetivos.