Fechar

Aviso
Devido ao feriado do securitário, não teremos expediente hoje.
Retornaremos nossas atividades dia 17/10.

Dúvidas Frequentes

Seguro de Vida

Quais os dados que devem constar em um contrato de seguro?

O contrato de seguro ou apólice deve possuir alguns dados que servem de base para os cálculos:
– Capital Segurado
– Coberturas a serem contratadas;

– Idade do proponente
– Risco

O que quer dizer IS?

É o valor monetário atribuído ao patrimônio ou às consequências do risco sob expectativa de prejuízos, para o qual o segurado deseja a cobertura de seguro, ou seja, é o limite de responsabilidade da seguradora, que, nos seguros de coisas, não deverá ser superior ao valor do bem. Também designada por capital segurado, quantia segurada e soma segurada.

Como é feito o cálculo do seguro?

O cálculo leva em consideração a intensidade dos sinistros, a tendência do mercado e os valores dos prejuízos.

Os valores dos seguros são iguais em todas as seguradoras?

Não. É importante comparar as coberturas e os preços oferecidos, pois existe variação de preços.

Como é feito o cálculo do prêmio do Seguro de Vida?

Através da idade e do capital estipulado pelo segurado. Esse capital é o valor que o segurado define em caso de indenização, em decorrência de um eventual sinistro.

Como funciona a renovação do Seguro de Vida em grupo?

O seguro de vida em grupo poderá ter vigência de um a cinco anos, podendo ser renovado quando há concordância entre as partes.

Como funciona a renovação do Seguro de Vida Individual?

O seguro de vida individual possui vigência, geralmente de um ano, podendo ser renovado automaticamente quando há concordância entre as partes.

Como funcionam os seguros?

O seguro é um contrato entre um indivíduo ou uma empresa (segurado) e uma seguradora. O segurado paga um preço chamado “prêmio” e a companhia, em troca, compromete-se pagar a eventual perda financeira correspondente, durante o período da apólice. O risco é transferido do segurado para a seguradora e o documento que formaliza esse contrato se chama apólice.

Como funciona o Seguro de Vida em Grupo?

Quando várias pessoas estão ligadas através de interesse comum e têm o mesmo estipulante, elas podem fazer uma única apólice de seguro.

O que quer dizer estipulante?

Obrigatoriamente é quem faz o contrato de seguro de Vida em Grupo.

O que é sinistro?

Refere-se a qualquer evento no qual o segurado sofre um acidente ou morte, podendo ser considerado como Parcial ou Integral.

O Seguro de Vida Individual vale apenas para uma pessoa?

Sim. Cobre morte ou sobrevivência de um único segurado, mas vale também, para casais ou sócios.

A qual o órgão fiscalizador de seguros devo recorrer caso tenha reclamações?

A Susep, Superintendência de Seguros Privados, é o órgão responsável pela fiscalização. Contato pelo 0800 021 8484.

O que é prêmio?

É o valor de cada seguro feito pelo segurado de acordo com a sua necessidade. O prêmio pode ser quitado em pagamento único ou parcelado.

O que são coberturas?

São eventos contratados para cobrir danos especificados em sua apólice.

Caso o segurado deixe de pagar uma parcela do prêmio, o que pode ocorrer?

O segurado deixa de estar coberto, a partir do mês da inadimplência da parcela do prêmio.

O que é indenização?

Em caso de sinistro, o segurado recebe um valor da seguradora, que é denominado indenização. Essa importância que a entidade paga ao(s) segurado(s) ou a seu(s) beneficiário(s) é devida à decorrência do evento coberto contratado.

Previdência Privada

O que é reserva?

É o valor correspondente ao total de recursos aplicados pelo participante ao plano, mais seus rendimentos líquidos de taxa de administração, constituídos durante o período de acumulação. A reserva do cliente servirá de base para o cálculo futuro da renda de aposentadoria do participante.

O que é previdência privada?

A previdência privada é um tipo de investimento que consiste em uma forma de aposentadoria que não tem correspondência com a sistemática do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Sua fiscalização é feita pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), que é um órgão pertencente ao Governo Federal. Ela também pode ser utilizada como uma aplicação de rendimentos futuros, que podem ser retirados em um momento predeterminado.

Como funciona a previdência privada?

Os planos de previdência privada possuem certo dinamismo em seus investimentos. É possível estabelecer previamente o valor de sua contribuição mensal e anual, fixando-os a uma, também escolhida, periodicidade. Assim, uma pessoa pode estipular contribuir com R$ 100,00 em um ano, por exemplo. Mas, obviamente, seus rendimentos se proporcionarão ao valor que foi pago.

É seguro investir em previdência privada?

Todos os fundos de previdência aberta devem obedecer às determinações e regras da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que disciplina, normatiza e fiscaliza a atuação dos diversos integrantes do mercado.

A regulação garante a transparência e a segurança que o investidor de previdência privada precisa para criar uma poupança de longo prazo. É importante lembrar que, além da regulamentação, há gestores renomados por trás de grande parte dos fundos de previdência.

O que é PGBL e VGBL?

Os dois tipos de planos mais comuns de contribuição são os seguintes:

Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL): esse plano é recomendado para pessoas que tenham renda elevada, pois se o valor da contribuição representar até 12% de sua renda bruta anual, poderá ser abatido no Imposto de Renda. Porém, na hora do saque, o imposto será cobrado sobre o valor total que havia no fundo.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL): ele diferencia-se do PGBL em não poder ser tirado do Imposto de Renda. A sua vantagem é que quando o dinheiro for sacado, o imposto será arrecadado somente com base nos rendimentos obtidos com o investimento.
Em ambos os planos, pode ser estabelecido se os rendimentos serão dados por determinado período de tempo ou se serão vitalícios. Assim, observando os regulamentos com suas particularidades inerentes, é possível encontrar aquele que melhor se enquadra ao seu perfil investidor.

Como escolher a tabela de tributação da previdência privada?

Quem investe nos planos PGBL ou VGBL pode escolher de que forma será cobrado o seu imposto de renda. A tabela de tributação da previdência privada pode ser de dois tipos: a progressiva e a regressiva.

1) Modelo Progressivo:

Se o seu objetivo é investir menos de 10 anos, ou seja, a curto ou médio prazo. Para cada valor existe uma porcentagem de imposto, seguindo a mesma alíquota já utilizada em salários. Os percentuais variam de zero, ou isento, até 27.5%.

2) Modelo Regressivo:

Se o seu objetivo é investir por mais de 10 anos, ou seja, a longo prazo a tabela mais indicada para você é a Regressiva. A cada 2 anos diminui 5% da porcentagem de imposto pago, iniciando com 35% e chegando ao valor de 10%.

Obs.: É permitida a portabilidade da tabela de tributação progressiva para regressiva. Mas é importante ressaltar que ao realizar a mudança de tabela a contagem começa do zero em 35%, ou seja, o tempo que o dinheiro já ficou investido não irá contar para diminuição da alíquota do imposto. O caminho inverso não é permitido.

Quais são as taxas cobradas?
  1. Taxa de carregamento:

Ela serve para cobrir despesas de corretagem e administração. O carregamento pode ser cobrado no momento da aplicação dos recursos (taxa de entrada), no resgate e na portabilidade de saída (taxa de saída).

  1. Taxa de administração:

É cobrada pela tarefa de administrar o dinheiro do fundo de investimento, criado para o seu plano. Como é descontada diariamente do valor total da reserva, a rentabilidade informada sobre seus fundos é sempre líquida, ou seja, você vê os valores com a taxa de administração já debitada.

O que é benefício?

É o pagamento a ser efetuado ao participante ou a seu beneficiário, por ocasião do evento gerador, sob a forma de pagamento único ou de renda.

O que é beneficiário?

São as pessoas indicadas na proposta de contratação ou em documento específico para receber o pagamento relativo ao benefício contratado.

Quais são os tipos de renda?
  • Renda temporária: você recebe uma pensão por um período determinado. Porém, quando você morrer o benefício “cessa”, mesmo que haja “saldo remanescente”.
  • Renda vitalícia: você recebe uma pensão mensal enquanto viver, ou seja, ao passar dessa para uma melhor o benefício cessa imediatamente, independente de eventuais “saldos remanescentes”.
  • Renda vitalícia reversível ao beneficiário: você recebe uma pensão mensal até falecer, e quando isso ocorrer, um percentual desse dinheiro é revertido a um beneficiário (indicado em contrato) até sua morte.
FECHAR

[recaptcha]