Fechar

Aviso
Devido ao feriado do securitário, não teremos expediente hoje.
Retornaremos nossas atividades dia 17/10.

Blog

Proteção para toda a família!

Home Blog Gastos supérfluos: saiba aqui como cortá-los!

Gastos supérfluos: saiba aqui como cortá-los!

POSTS

O conceito de gastos supérfluos pode variar, mas, em geral, eles são constituídos pelas despesas que, se não fossem realizadas, não fariam falta. Assim, em uma situação de restrição financeira, como uma dificuldade momentânea ou até mesmo a perda do emprego, os gastos supérfluos são os primeiros que devem ser eliminados.

Esses gastos, com o passar do tempo, tendem a virar um hábito no dia a dia, mas não são essenciais, ou seja, não são imprescindíveis. Geralmente são frutos de comodidades, de desejos momentâneos ou de mera compulsão.

Continue a leitura e saiba como cortar os seus gastos supérfluos.

Tenha uma planilha financeira

Para eliminar as despesas supérfluas, é preciso antes conhecê-las. Para isso, faça um inventário de todos os seus gastos. Relacione essas despesas sem julgamentos, apenas listando os diferentes destinos do seu dinheiro.

Assim, por exemplo, devem aparecer despesas com energia, assim como com o lanche que você costuma fazer. Coloque as despesas em uma coluna e, em outra, todo o dinheiro que você recebe. Também reserve espaços para os 12 meses do ano. Pronto: você já tem sua planilha financeira.

Uma planilha financeira é o melhor instrumento para controlar os recursos que entram (receita) e os que são gastos (despesas). Pode ser bem simples, como exemplificado acima, mas sendo atualizada constantemente, permite que você tenha uma visão global de sua situação.

Além disso, uma planilha ajuda a projetar situações futuras, como o próximo mês e o ano que vem. Existem diversos modelos de planilhas financeiras disponíveis para download gratuito, desde os mais simples até aqueles para as pessoas mais afinadas com o assunto.

Anote tudo o que gastar

Para manter sua planilha financeira atualizada, anote tudo que gastar, por menor ou mais simples que seja a despesa. Dessa forma, se estiver na rua e comprar alguma coisa (qualquer coisa), registre e posteriormente lance em sua planilha.

É preciso desenvolver o hábito de estar no controle para conhecer com transparência a realidade de suas despesas. Só assim você poderá avaliá-las e decidir o corte daquelas que classificar como supérfluas.

Faça um esforço para controlar seus impulsos

Depois que você desenvolver o costume de anotar todas as despesas, existe uma nova tarefa: esforçar-se para controlar seus impulsos de compra. Embora seja difícil para muita gente, é preciso dedicar-se a esse cuidado e realmente assumir o controle do uso do dinheiro.

Nesse sentido, leve em conta que os desejos natos e os estimulados costumam aumentar gradativamente. Ao mesmo tempo, o dinheiro que você ganha provavelmente não deve acompanhar o ritmo de crescimento das coisas que você gostaria de ter.

As estratégias de marketing contam com essa tendência comum em algumas pessoas e mais descontrolada em outras. Se você não der atenção a isso, é provável que seus impulsos estejam no controle e que você tenha uma lista longa de gastos supérfluos para administrar e, em breve, para cortar.

De todo modo, considere que a proposta não é eliminar as coisas de que você gosta. Na verdade, aquilo que você classificar como algo supérfluo ou não necessário deverá ser cortado se essa for sua prioridade, e é isso que está sendo proposto: que você reveja suas prioridades.

Adote uma regra: gaste menos do que ganha

Essa é uma regra simples e óbvia: nunca gastar mais do que o montante que você ganha. Os gastos supérfluos quase sempre são os responsáveis pelo descumprimento desse princípio financeiro e quase nunca guardam relação com a qualidade de vida.

Uma vez elaborada sua planilha financeira, faça uso dela e veja como está sua situação com relação aos recursos que recebe no mês e os gastos que já realizou. Mantenha o equilíbrio, para conseguir guardado todo mês ao menos 10% da sua renda.

Estabeleça uma meta, a fim de garantir que você nunca faça uso de mais de 90% de seus recursos financeiros. Por sua vez, a adoção de metas vai auxiliá-lo a reduzir os gastos supérfluos e ainda a construir uma reserva financeira. As anotações diárias e a planilha serão de grande valia para esse fim.

Tome consciência dos seus gastos

Quando você montou sua planilha financeira, já identificou os gastos que têm com coisas que poderia dispensar. Mas, aqui, a ideia é que você tome consciência do grande número de possibilidades que fazem seu dinheiro se esvair sem que haja qualquer necessidade.

É uma maneira de fazer você pensar com antecedência na superficialidade de certos gastos e, assim, precaver-se contra tentações. Essa proatividade em seu favor coloca a mente em estado de alerta e facilita a percepção de que você está prestes a gastar desnecessariamente sempre que o desejo surgir. Para isso, faça uma lista de coisas e situações em que você estaria facilmente tentado a gastar e poderia ceder.

As facilidades para o consumo supérfluo aumentaram muito em razão das vitrines virtuais. Os anúncios e comerciais que bombardeiam a navegação na internet são dirigidos ao seu perfil de usuário. Por diversas vezes, você pode se pegar conferindo itens que lhe interessam e são mostrados nas páginas de praticamente todos os sites.

Contudo, sua mente estará mais atenciosa para lembrá-lo da superficialidade de certos gastos se você antes já tiver pensado sobre eles. Mais que isso: você os reuniu em uma lista de “procurados”, como se fossem bandidos do desejo.

Veja se você pode economizar ainda mais

Depois que tiver tomado os cuidados apontados nas dicas anteriores, faça uma experiência e veja se você pode economizar um pouco mais. Pode ser apenas um pequeno valor, mas use-o para mostrar a si mesmo que está no controle.

Não se iluda, pois a mente vai procurar suas compensações com o argumento de que você já fez grandes economias. É natural e, a não ser que você esteja em uma situação financeira difícil, não há mal nenhum em ser flexível.

No entanto, o que você não deve permitir é se deixar levar e perder o real controle do que consome. Afinal, você não pretende passar apertos por coisas das quais não tem necessidade, não é mesmo?

Como você viu, o controle de gastos supérfluos pode ser feito com algumas iniciativas e disciplina. Essas dicas serão um ponto de apoio seguro para o seu sucesso nessa empreitada.

Gostou do post? Este é um pequeno guia que você deveria reler algumas vezes. Entre em contato conosco e descubra muito mais sobre se proteger e construir uma vida com mais qualidade.

Cadastre-se em nossa newsletter

    FECHAR