Quais os pilares da educação financeira?

POSTS

Saber ganhar e gastar de forma certa são duas artes que devem ser dominadas por quem deseja conquistar a estabilidade financeira. Conhecer os pilares da educação financeira e as boas práticas, é um bom começo para alcançar a estabilidade.

A educação financeira são princípios que regem o aprendizado de quem pretende conquistar sua liberdade nos assuntos que dependem de dinheiro. Isso inclui, por exemplo, a realização de seus sonhos e segurança financeira de sua família.

Para ter uma estabilidade financeira, é importante se atentar em alguns pilares e se preocupar com cada um deles. Neste artigo, além de aprender sobre os pilares da educação financeira, vamos explicar a importância de cada um.

Qual a importância da educação financeira?

Vivemos em um mundo capitalista e, portanto, saber administrar a própria vida financeira é, antes de tudo, questão de sobrevivência. Fazer uma adequada gestão dos recursos que se tem, equilibrando as receitas e as despesas é essencial para se alcançar qualquer objetivo.

Assim, é preciso aprender a manejar o dinheiro, desde aquele que ainda não foi conquistado, até o que representa o pagamento das contas e compromissos assumidos. Além disso, há que se considerar a possibilidade de se precisar de uma quantia emergencial para um assunto de família ou uma necessidade urgente de saúde.

Nesse sentido, a educação financeira é imprescindível para orientar no sentido da construção de um fundo de emergência. Essa, talvez, seja uma das maiores dificuldades: garantir uma reserva para um projeto futuro ou para uma emergência.

Finalmente, a independência financeira pode ser considerada como o sonho de qualquer pessoa, em especial no mundo moderno, onde o próprio mercado cria as necessidades da população. Assim, especialmente os jovens em fase de construção de suas vidas, precisam conhecer os pilares da educação financeira.

Quais os pilares da educação financeira?

Pela importância e essencialidade da educação financeira, diversas abordagens são conduzidas sob o título de “Pilares da Educação Financeira”, sempre com o intuito de melhor orientar.

Aqui, esses pilares serão apresentados já traduzidos para sua forma prática, no sentido de mostrar o que se deve fazer.

  • Identificação dos gastos
  • Eliminação de gastos desnecessários
  • Planejamento
  • Equilíbrio entre receita e despesa
  • Disciplina
  • Cautela antes de assumir dívidas

Identificação dos gastos

Conhecer o que se gasta é o primeiro princípio, uma vez que é preciso saber por onde escoam as receitas (ganhos) que chegam. Ao identificar como se usa o dinheiro, é possível diferenciar as despesas em gastos necessários e gastos não necessários.

Existem despesas das quais não se pode abrir mão porque fazem parte da própria sobrevivência, como, por exemplo, os gastos com alimentação. Mas, lanchinhos e docinhos ao longo do dia podem não ser itens de alimentação indispensáveis, sobretudo quando se deseja organizar as finanças.

Eliminação de gastos desnecessários

O segundo princípio consiste na verificação de quais são os gastos desnecessários e que podem ser eliminados. Considere que é bastante comum se conceder alguns mimos e eles possuem o seu valor. Mas, leve em conta que se trata de um processo de educação para organização da situação financeira atual e futura.

Nada impede que, dentro de uma avaliação de custo-benefício, algumas despesas pontuais possam ser retomadas mais tarde. No entanto, nesse momento a abordagem deve ser absolutamente séria e firme.

Planejamento

Não se alcança sucesso em qualquer empreitada se não houver planejamento. Isso se traduz pela necessidade da definição de onde se deseja chegar, de quais valores serão adotados e de como se fará para alcançar as metas definidas.

Esse pilar orienta para que se proceda à definição dos gastos que serão mantidos as rotinas de despesas semanais e mensais, o momento de equilíbrio (não gastar mais do que recebe) e o momento de poupar. Para esse fim, o planejamento deve contar com um cronograma que estipule os diversos momentos até a meta.

Equilíbrio entre receita e despesa

Esse pilar da educação financeira define um limite que não deve ser ultrapassado, ou haverá dificuldades. Essa fronteira é a que delimita o ponto de equilíbrio entre receita e despesa, ou seja, o que se gasta nunca deve ser maior do que aquilo que se recebe.

Parece óbvio, mas a experiência mostra que boa parte da população passa muito tempo tentando cobrir a diferença negativa (mais gastos do que ganhos). No entanto, essa não é a meta, mas um limite.

O equilíbrio deve ser entendido como necessário e precisa ser alcançado, mas não constitui a meta. Isso significa que se deve ir além, pois é indispensável que as despesas sejam menores que a receita, para que se possa poupar, construir uma reserva financeira e poder então investir.

Disciplina

A disciplina é o pilar da educação financeira que permite que sejam alcançadas as metas definidas. Trata-se de fazer o que foi definido e de limitar os gastos aos parâmetros impostos, a fim de caminhar sempre na direção planejada.

A disciplina deve ser tal que não se permita burlar em proveito próprio, uma vez que sempre é possível se apresentar uma boa justificativa para gastar. Deixar de adotar uma postura disciplinada é o pressuposto para o fracasso.

Cautela antes de assumir dívidas

Finalmente, eis um pilar aplicável a quase todos: a cautela na assunção de dívidas. Situações financeiras difíceis, principalmente sob pressão para se realizar um pagamento devido, fazem com que se acabe por buscar a solução mais imediata na forma de um empréstimo.

Dessa forma, as dívidas tendem a crescer indefinidamente. Nesse sentido, a cautela permite que se evite assumir compromissos que já sinalizam na origem a dificuldade de honrá-los no futuro próximo.

O que fazer para se organizar financeiramente?

A partir dos pilares da educação financeira mostrados pode-se partir para a ação. Para isso, conte com algumas dicas práticas que complementam os princípios apontados.

  • Conheça suas reais necessidades
  • Tenha uma planilha financeira
  • Leia sobre o assunto
  • Celebre suas conquistas

Conheça suas reais necessidades

Faça uma boa avaliação de sua vida e das necessidades realmente envolvidas (casamento em vista, chegada de um filho). Veja se tem alguma coisa da qual não pode abrir mão e restrinja-se àquilo que necessariamente deve permanecer.

Tenha uma planilha financeira

Uma planilha financeira é um dos instrumentos mais práticos para a organização financeira. Com ela se consegue por em prática os principais pilares ensinados. Planilhas financeiras de todos os tipos e complexidades podem ser obtidas facilmente em diversos sites que as disponibilizam sem qualquer custo.

Leia sobre o assunto

Familiarize-se com o planejamento financeiro e os diversos caminhos para alcançar a segurança pretendida. Existe uma grande disponibilidade de artigos e livros sobre o assunto, além de vídeos com educadores especializados.

Celebre suas conquistas

Você está no caminho? Conquistou mais um objetivo em direção à sua meta financeira? Celebre essa conquista! Não deixe passar a oportunidade de festejar consigo mesmo cada vitória na direção de sua independência financeira.

Como se viu, os pilares da educação financeira são claros e muito orientadores, mas requerem firmeza e decisão na sua aplicação. Afinal, todo esforço conduz a uma vitória mais saboreada.

Se você gostou deste conteúdo, confira nosso artigo como definir suas metas financeiras!