Tudo o que você precisa saber sobre o medo de morrer

Casa & Família

Com certeza, você já ouviu aquela famosa expressão “para morrer, basta estar vivo”, não é mesmo? Pois bem, nós todos sabemos o que nos espera no final do ciclo da vida. E, embora a morte seja inevitável, ela continua intrigando e amedrontando muita gente.

Não há problema algum em ter medo de morrer. Afinal, lidar com o desconhecido é algo realmente desagradável e pode ser motivo de ansiedade. O único problema é quando esse medo cresce descontroladamente e se transforma em uma patologia.

Pode parecer irônico, mas, para algumas pessoas, o medo de morrer é tão grande, que ele prejudica o andamento da vida do indivíduo. E, quando um medo chega a esse nível, é necessário tratá-lo. Mas afinal, como saber até onde o medo é comum e aceitável e quando ele se transforma em uma doença? Se você quer saber mais sobre esse assunto, continue com a leitura!

O que é a tanatofobia?

Tanatofobia é o nome que se dá à patologia do medo de morrer. O nome tem origem na mitologia grega, que acreditava que Tânatos era o deus da morte. Quem sofre de tanatofobia sente medo de morrer em ocasiões que, aparentemente, não apresentam perigo algum.

Você deve estar se perguntando qual é a diferença entre um medo comum e uma fobia. Vamos dar um exemplo simples: a maior parte das pessoas não gostam de aranhas e acham esses insetos asquerosos, mas não veem problema algum em entrar em um banheiro mesmo que haja uma aranha pequena lá dentro, ou mesmo em matar um aracnídeo, se for necessário. Por outro lado, quem tem aracnofobia entra em pânico ao ver esse inseto. Alguns aracnofóbicos sentem repulsa até mesmo de imagens de aranhas. Ou seja, a fobia é um medo extremo e maléfico.

O mesmo se aplica ao medo de morrer. No fundo, todo mundo tem medo de morrer. Afinal, ninguém sabe o que nos aguarda após a morte. Mas, mesmo com toda essa insegurança sobre a morte, muitas pessoas conseguem viver tranquilamente. Quem sofre de tanatofobia sente um pavor inexplicável de situações, objetos ou lugares que aparentemente não oferecem risco de morte. Essas pessoas não conseguem nem mesmo falar sobre o assunto, assistir filmes que retratam a morte, visitar cemitérios, ir a velórios ou funerais etc. A tanatofobia atrapalha a vida das pessoas e as impede de realizar simples tarefas do dia a dia.

Quais são os sintomas da tanatofobia?

As pessoas com tanatofobia entram em pânico ao se depararem com qualquer coisa que as faça lembrar da morte. Em casos mais avançados, a pessoa pensa na morte até mesmo sem ter um motivo aparente. Em outras palavras, a morte é um tema presente em sua cabeça. Alguns sintomas que podem ser observados em pessoas que têm fobia de morrer são:

  • físicos: tontura, choro descontrolado, palpitação, tremores, náuseas, sudorese, falta de ar e sensação de asfixia, dor no peito, dormência ou formigamento, boca seca e dores no estômago;
  • mentais: crises de pânico e perda de controle, medo de enlouquecer, repetição de pensamentos sangrentos, dificuldade de diferenciar realidade de ilusão;
  • emocionais: desejo de fugir da situação atual, isolamento, preocupação extrema, tristeza, medo do futuro, sensação de impotência.

Como saber se eu tenho tanatofobia?

O diagnóstico da tanatofobia não é nada fácil, porque essa síndrome pode ser facilmente confundida com outros transtornos psicológicos, como depressão e ansiedade. Essas doenças têm sintomas parecidos, como pensamentos negativos recorrentes, crises de ansiedade, delírios e perda de interesse na vida. Um fator determinante para o diagnóstico é a auto-observação do paciente. Ele precisa identificar quais os impactos da fobia em sua vida.

A tanatofobia também pode ser confundida com sintomas de doenças que afetam o estado físico do indivíduo, como esquizofrenia e Alzheimer. Para que o diagnóstico seja mais eficiente, o psicólogo deve fazer exames clínicos para descartar a possibilidade dessas doenças.

Como é feito o tratamento para a tanatofobia?

Existem várias formas de tratar o medo de morrer. Algumas pessoas, por exemplo, acham que procurar uma religião é a melhor saída, enquanto outras preferem a ajuda de um psicólogo. É injusto dizer que um tratamento seja melhor que o outro, tudo depende do estilo de vida da pessoa e de suas crenças. Confira agora algumas alternativas de tratamento para a tanatofobia!

Programação neurolinguística

A PNL é um estudo que consiste em reprogramar a mente para bloquear pensamentos de padrões negativos. As pessoas que passam pela PNL começam a enxergar o mundo de uma forma mais positiva e se sentem muito mais motivados. Portanto, esse pode ser um tratamento alternativo para o medo de morrer.

Terapia comportamental

O psicólogo tenta encontrar a causa para essa fobia em traumas que aconteceram no passado. Essas situações traumatizantes serão resolvidas para que a pessoa possa continuar sua vida sem se prender ao passado.

Terapia cognitivo-comportamental

Diferente da terapia acima, a TCC consiste em analisar o problema atual, ao invés de buscar explicações no passado. A terapia cognitivo-comportamental é parecida com a PNL, porque consiste em eliminar pensamentos negativos da cabeça do paciente.

Como ter um seguro de vida pode ajudar?

O medo de morrer não está relacionado diretamente ao indivíduo, ele pode temer por pelas pessoas que ama. Na verdade, o medo de morrer pode acontecer de várias formas: algumas pessoas têm medo de sentir dor durante a morte, outras temem o que existe na vida pós morte, mas também há quem tenha medo de ficar sozinho ou de deixar as pessoas aqui sozinhas e desamparadas.

No caso que o indivíduo teme a morte por causa das pessoas que ficarão vivas, a melhor solução é fazer um seguro de vida. Com o seguro, você garante que seus entes queridos sejam amparados caso alguma fatalidade aconteça. Pode parecer surpreendente, mas muitas pessoas se sentem mais seguras tendo um seguro de vida e passam a temer menos a morte.

Se você tem medo de morrer e acha que esse medo pode ser classificado como uma fobia, procure ajuda o mais rápido possível. A tanatofobia não é frescura e precisa ser tratada. Use os conhecimentos que você adquiriu com esse texto para ajudar a si mesmo e as pessoas ao seu redor que podem estar sofrendo com esse problema.

Gostou do texto? Esse assunto é do seu interesse? Então, saiba também como um seguro de vida pode trazer tranquilidade para você e sua família. Boa leitura!